Paciente

8 07 2017

Ser paciente é simplesmente estar completamente aberto a cada momento, aceitando-o na sua plenitude, sabendo que, tal como as borboletas, as coisas acontecem no seu devido tempo.

blue_butterfly_2_3589711797-2

 Jon Kabat-Zinn

Anúncios




Someone like you

14 06 2017





Resistência

8 06 2017

Nós compreendemos há muito tempo que não era mais possível mudar este mundo, nem remodelá-lo, nem impedir a sua infeliz trajectória para a frente.

Havia uma única resistência possível : não o levar a sério.

mar

Milan Kundera    em    A Festa da Insignificância





Coisas só minhas

23 11 2016

Porque as coisas e as pessoas que fazem parte da minha vida vão aos poucos entrando em mim, depois de algum tempo já não sei dizer o que é meu e o que é delas. Mesmo assim, bem no fundo, há coisas que são só minhas. Embora me assustem às vezes, é delas que mais gosto.

de-pe

 Caio F. Abreu     em     Limite Branco





Pessoas 2

27 10 2016

Sabes, aquelas pessoas que tu passaste anos sem ver e, quando finalmente as encontraste, parecia que tinha passado pouco tempo?

Segura-te a elas.

amizade

Brittainy C. Cherry    em    “Loving Mr. Daniels





Solidão de não pertencer

25 06 2016

Com o tempo, sobretudo nos últimos anos, perdi o jeito de ser gente. Não sei mais como se é. E uma espécie toda nova da ‘solidão de não pertencer’ começou a me invadir como heras num muro.

partir

Clarice Lispector





A meio

18 06 2016

imageA tristeza de não ser mais do que aquilo que deixei de ser. De não fazer mais do que aquilo que deixei por fazer. Sou os sonhos que não realizei, os passos que não dei. Sou a vida, sim, que não vivi. E é assim que vivo, entre pensamentos de que sou e a lucidez, sempre temporária mas sempre triste, de que não sou. De que não consigo ser. Os dias, lentos e parcimoniosos, são leves brisas de tempo, folhas que o vento, sem esforço, carrega para o destino final. Escrevo porque só sei escrever. Escrevo porque nada sei fazer. E aguardo que, letra a letra, se vá, imagem a imagem, o sonho prometido. E aguardo que, sonho a sonho, se vá, promessa a promessa, o destino ansiado. Sou, mais do que o que sou, o que não sou: o que não fui capaz de ser. Fiquei a meio, sempre a meio, do que desejei finalizar. Meio escritor, meio humano, meio poeta e meio insano, meio senhor, meio criança, meio sorriso na meia infância. Fiquei a meio, sempre a meio, do que desejei finalizar. Fui o quase génio, o quase artista, o quase pedinte, o quase louco. Fui quase feliz, quase gente – o triste demente, quase. Sou quase, sou meio. Porque sou, mais do que o que sou, o que não sou. Porque sou, mais do que o que sou, o que não fui capaz de ser: o que não sou capaz de ser.

 Pedro Chagas Freitas