Mundo

29 10 2017

O que é o mundo fora de mim?

Provavelmente mudei eu e mudou o meu mundo. Mas mais do que o mundo mudou a minha relação com o mundo. Há mais uma relação não conflitual, de aceitação. Pelo menos de procura dessa aceitação.

serenidade

Manuel  António  Pina

Anúncios




Stand by me

9 09 2017

When the night has come, and the land is dark
And the moon is the only light we will see
No, I won’t be afraid, oh, I won’t be afraid
Just as long as you stand, stand by me
So darlin’, darlin’ stand by me
Oh stand by me
Oh stand, stand by me, stand by me

If the sky that we look upon should tumble and fall
Or the mountain should crumble to the sea
I won’t cry, I won’t cry, no, I won’t shed a tear
Just as long as you stand, stand by me
And darlin’, darlin’ stand by me
Oh stand by me
Whoa stand now, stand by me, stand by me
*Solo*

And darlin’, darlin’ stand by me
Oh stand by me
Oh stand now, stand by me, stand by me

If the sky that we look upon should tumble and fall
Or the mountain should crumble to the sea
I won’t cry, I won’t cry, no, I won’t shed a tear
Just as long as you stand, stand by me
And darlin’, darlin’ stand by me
Oh stand by me
Whoa stand now, stand by me, stand by me
So darlin’, darlin’ stand by me
Oh stand by me
Oh stand now, stand by me, stand by me
Whenever you’re in trouble won’t you stand by me
Oh stand by me
Whoa stand now, oh stand, stand by me..





Beijo

14 07 2017

Creio que, numa relação, o beijo terá sempre de manter a densidade do primeiro, a história de uma vida, todos os pores-do-sol, todas as palavras murmuradas no escuro, toda a certeza do amor.

love

Afonso Cruz





Eu

15 09 2016

“Eu” : uma ficção de que somos, quando muito, co-autores.

inner-peace

Imre Kertész





Solitário

9 09 2016

Somos todos solitários e todos procuramos uma mão para nos segurar no escuro. Não é a harpa, e sim a mão que a toca.

Bernhard  Cornwell





Abismo

8 08 2016

Entre os seres humanos, mesmo se intimamente unidos, permanece sempre aberto um abismo que apenas o amor pode superar, e mesmo assim somente como uma passagem de emergência.

amores-impossiveis-3162451-1238

 

Herrmann Hesse





Passado 1

17 11 2015

Não ignoro as ameaças que o futuro encerra, como também não ignoro que é o meu passado que define a minha abertura para o futuro. O meu passado é a referência que me projeta e que eu devo ultrapassar.

Sim. É isso. Reconheço que ao meu passado eu devo o meu saber, a minha ignorância, os meus interesses, as minhas relações, a minha cultura e o meu corpo. Hoje, que espaço o meu passado deixa para a minha liberdade? Não sou escrava dele. Não sou escrava do meu passado.

O que eu sempre quis foi somente comunicar da maneira mais directa o sabor da minha vida, da minha própria vida. Acredito que consegui fazê-lo.

Não desejei nem desejo nada mais do que viver sem tempos mortos.

estrelas-de-outono-2

Simone de Beauvoir    em    “Viver sem Tempos Mortos” (monólogo)