To build a home

30 09 2011





Ansiedade

27 09 2011

Só Sente Ansiedade pelo Futuro aquele cujo Presente é Vazio

O principal defeito da vida é ela estar sempre por completar, haver sempre algo a prolongar. Quem, todavia, quotidianamente der à própria vida “os últimos retoques” nunca se queixará de falta de tempo; em contrapartida, é da falta de tempo que provém o temor e o desejo do futuro, o que só serve para corroer a alma. Não há mais miserável situação do que vir a esta vida sem se saber qual o rumo a seguir nela; o espírito inquieto debate-se com o inelutável receio de saber quanto e como ainda nos resta para viver. Qual o modo de escapar a uma tal ansiedade? Há um apenas: que a nossa vida não se projecte para o futuro, mas se concentre em si mesma. Só sente ansiedade pelo futuro aquele cujo presente é vazio. Quando eu tiver pago tudo quanto devo a mim mesmo, quando o meu espírito, em perfeito equilíbrio, souber que me é indiferente viver um dia ou viver um século, então poderei olhar sobranceiramente todos os dias, todos os acontecimentos que me sobrevierem e pensar sorridentemente na longa passagem do tempo! Que espécie de perturbação nos poderá causar a variedade e instabilidade da vida humana se nós estivermos firmes perante a instabilidade? Apressa-te a viver, caro Lucílio, imagina que cada dia é uma vida completa. Quem formou assim o seu carácter, quem quotidianamente viveu uma vida completa, pode gozar de segurança; para quem vive de esperanças, pelo contrário, mesmo o dia seguinte lhe escapa, e depois vem a avidez de viver e o medo de morrer, medo desgraçado, e que mais não faz do que desgraçar tudo.

Séneca,  em  ‘Cartas a Lucílio’





Visitas

21 09 2011

Este blogue atingiu ontem o número de 10.000 visitas.

Muito obrigada a todos que por cá passaram!

Obrigada duplamente aos que deixaram o seu testemunho e assim contribuíram para o enriquecer!

A blogosfera é uma comunidade de partilha e entre-ajuda.

Até sempre!





Futuro

20 09 2011

O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos.

Eleanor Roosevelt





Literatura

17 09 2011

A literatura é um processo de libertação e, por conseguinte, aspira à liberdade. Quer dizer que o seu ponto de partida é uma recusa aos constrangimentos. Quer dizer, ainda, que os constrangimentos estão na sua génese ou no desencadear da sua explosão, como tem sido proclamado por tantos criadores.

Homem livre, pois, o escritor – ou que visceralmente deseja sê-lo. Tão livre, ou tão necessitado de o ser, que nem sequer pode estar de acordo com certas situações para que ardorosamente contribuiu: seja numa sociedade burguesa, seja numa sociedade proletária, ele sempre encontrará razões para a sua insubmissão e para o seu inconformismo, mesmo se, muitas vezes, se trate de uma contestação inconsciente.

Fernando Namora, em  ‘Jornal sem Data’





Incógnita

13 09 2011

Continuas uma incógnita na minha vida. Escondes-te o mais que podes, vestes roupagens diversas, pareces sempre querer fugir.

E eu aceito… Sofro, interrogo, mas continuo à espera.

De quê? De que te mostres como és, sem disfarces. De que assumas a dificuldade do Viver, sem mais hesitações.

Não é justo manteres esta angústia, este desconhecimento, esta fuga…






Bolero

10 09 2011