Estranheza

26 11 2008

É isto o que finalmente aprendemos na vida : como ela é estranha. Não podemos manter-nos a par do que acontece. Nem sequer conseguimos imaginar.

 Paul Auster  em Trilogia de Nova  Iorque 

estigma

Anúncios




Verdade

24 11 2008

Despe-te de verdadescontraste

das grandes primeiro que das pequenas

das tuas antes que de qualquer outras.

 

 

 

 

 

 Mário Cesariny





Ser

21 11 2008

Existimos por nós mesmos, talvez, e por vezes até conseguimos ter um vislumbre de quem somos, mas no fim nunca podemos ter a certeza, e conforme as nossas vidas continuam, tornamo-nos cada vez mais opacos para nós próprios, cada vez mais conscientes da nossa própria incoerência. Ninguém consegue atravessar a fronteira para entrar dentro de outra pessoa – pela simples razão de que ninguém tem acesso a si mesmo.

Paul Auster

arvores-11





Mudar

18 11 2008

Se  quisermos mudar as nossas vidas, é mais importante mudarmos as atitudes do que as circunstâncias. Se não mudarmos as nossas atitudes, é pouco provável  que as nossas circunstâncias venham alguma vez a mudar.

 Robin Norwood

cruzamento





Insónia

12 11 2008

Dormes na minha insónia como o aroma

entre os tendões da madeira fria.

És uma faca cravada na minha vida secreta.

E como estrelas duplas, consanguíneas,

luzimos de um para o outro

nas trevas.

light_ii_by_mutrus1

 Herberto Hélder





Abraço

10 11 2008

Durante a nossa vida, conhecemos pessoas que vêm e que ficam, outras que vêm e passam. Existem aquelas que vêm, ficam e depois de algum tempo se vão. Mas existem aquelas que vêm e se vão com uma enorme vontade de ficar.

  • abraco1

 

 Charlie Chaplin





Comunicar

6 11 2008

Em todas as relações humanas, a coisa mais importante é a conversa ; mas as pessoas já não o fazem-

riverc2b4s-blooming1

sentar-se para falar e ouvir os outros. Vão ao teatro, ao cinema, vêem televisão, ouvem rádio, lêem livros, mas quase não conversam.

Se quisermos mudar o mundo, temos de voltar à época em que os guerreiros se reuniam à volta da fogueira e contavam histórias.

 Paulo Coelho